08 julho 2014

Resenha: Cidade das Cinzas

Estou escrevendo meio que um conto de Alice in Wonderland, mas não que eu vá posta-lo aqui. Porque não vou. Existe uma fanfic chamada Alice Is Dead, e só o nome me deu tantas ideias que não sei por onde começar. Estou quase começando outro conto, fora o que estou escrevendo. 
Terminei Cidade das Cinzas praticamente agora. Eu comprei ele sábado, e só levei quatro dias pra ler um livro de quatrocentas páginas. Postei aqui a pouco tempo também, mas a vontade de vir aqui e digitar é muito grande. Então, estou aqui de novo. E afirmo que a sequência de Cidade dos Ossos é quase tão boa quanto o primeiro livro ou talvez eu esteja falando isso porque assisti o filme do primeiro livro.
Não irei falar a sinopse, porque sempre a sinopse de sequência de livros dão spoilers do primeiro livro. Digamos apenas que o segundo dos Instrumentos Mortais desapareceu, e Clary e Jace e o resto das pessoas precisam descobrir quem foi.
A história fica a cada segundo melhor. Dependendo da cena, você não quer parar de ler. A cada cinco páginas a palavra "sangue" é citada, e saber o motivo que ela foi citada é interessante. Não é daqueles livros que te deixam com o coração na boca nas cenas de ação, pelo menos pra mim não foi. Mas a sensação de lê-lo foi ótima. A escrita da Cassandra é surpreendente, ela fala de um jeito fácil de se entender e imaginar. Continuou com aquela narração estilo roteiro, mas depois do primeiro livro se acostuma facilmente. O bom desse estilo é que você sabe o que se passa na cabeça de cada um, ou como são as coisas pelos olhos de outros personagens, não só da Clary.
Clary Fray sempre será aquela personagem que não me conquista. Isso não aconteceu com muitas protagonistas, mas a Clary é tão afastada da história que me irrita. Nesse livro ela ficou bem afastada, mesmo sendo a protagonista. Cassandra citou muitas coisas ao redor, não como Clary se sentia. Você se sente parte da história, e não parte de Clary. É como estar assistindo a um espetáculo, não participando dele. Por isso prefiro escrita em primeira pessoa. Não são todas as escritas em terceira pessoa que são assim, por isso achei que a Clary (a protagonista) ficou afastada da história, e deveria opinar mais.
Os personagens secundários estão bastante presentes, tanto quanto Clary. Principalmente Jace. E ainda assim, mesmo estando na cabeça desses personagens você ainda se sente assistindo a um espetáculo. Gosto de me sentir parte dele, e o jeito como foi narrado tirou um pouco disso. De uma forma ou de outra, o livro foca demais no Jace, mesmo ele sendo um personagem secundário. O legal de Os Instrumentos Mortais é como os personagens em volta não ficam com cara de secundários pelo jeito que são narrados. Não parece um livro de ficção, parece simplesmente o nosso mundo virando de ponta cabeça.
Esse é um dos melhores livros que já li. A série Os Instrumentos Mortais é muito convidativa, pois mostra um mundo diferente dos outros. Em Harry Potter existe o bem e o mal. Em Percy Jackson o mesmo. As Crônicas de Nárnia também. Enquanto isso essa série mostra muito mais que isso. Não existe só o bem e o mal, existem coisas mais profundas que isso.
Adorei o livro, e o recomendo. Quando terminei fiquei com um gostinho de quero mais, e todos os livros da série fazem isso. Por isso, recomendo-a.
Até logo.

18 comentários:

  1. Tenho vontade de ler essa sega de livros, parece bem interessante e a sua resenha me deixou com mais vontade de ler.
    Beijos
    Dezesseis de Volta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato é muito interessante ♥

      Excluir
  2. O nome Alice Is Dead me deixou muito curiosa :b Ah, Belle, eu quero ler esse conto! Sou encantada por Alice In Wonderland ;__; Morro de vontade de ler The Mortal Instruments desde setembro/2013, e ainda não tive a chance :( Adorei a resenha!
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse nome me deu mil ideias, mas coloquei o conto pro português (Alice está morta). Talvez eu deixe você ler o conto ^^ Eu sempre tive vontade, depois que li o primeiro tive mais vontade ainda.

      Excluir
  3. Eu já li esse livro, mas como estava passando por uma ressaca literária acabei demorando demais para terminar. Ou seja, vou precisar ler novamente haha.
    Mas acho que isso mesmo que a Cassadra quer passar, não fazendo você se sentir um dos personagens que já está ali e sim um novo personagem. :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, sua ideia sobre o que a Cassandra quer passar realmente é aceitável, porém eu não consegui me sentir um novo personagem muito bem.

      Excluir
  4. O único livro que não li foi Cidade do Fogo Celestial, gostei muito da sua resenha e o que você disse foi praticamente o que eu senti, só que eu gostei de não fazer parte de Clary porque me deu maior margem de me sentir parte de um todo, da história em si, eu acho que esse tipo de narração me aproximou da realidade, mesmo que um pouco.
    dossie-literario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai demorar até eu ler todos, eu sei disso. E ainda tem As Peças Infernais, que vou demorar mais ainda.
      A única vantagem de não ter sido parte da Clary é que não vou muito com a cara da Clary e não ser parte dela foi até bom. Mas ainda assim gosto de me sentir o personagem, não todos. É meio confuso pra minhas mente doentia.

      Excluir
  5. Cidade das Cinzas é um livro que eu gostaria muitíssimo ler nesse ano, se o din din não me faltar no caso. XD Pela sua resenha, parece ser um livro bem viciante, e se você leu em 4 dias, tenho certeza que eu faria o mesmo, quando eu começo a ler um livro desses, não paro de ler tão fácil não, ahhaha :D

    cartas-e-poesias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, sinceramente, eu li ele em quanto dias por causa do tédio, não achei ele tão viciante. Mas ainda assim foi viciante sim ^^

      Excluir
  6. "Não parece um livro de ficção, parece simplesmente o nosso mundo virando de ponta cabeça." Olha, eu queria realmente entender o que você quis dizer com isso auhauaah'. Mas deve ser um livro muito impressionante pra te fazer sentir assim. Eu fico meio "uh, sei não" com alguns tipos de livro. Por exemplo, esse aí tem todo o lance de caçar demônios, sei lá. Mas quem sabe seja legal, um dia eu leio pra ver.
    Achei uma pena essa história do espetáculo. Bem, vai ver foi a escolha dela por não ser um livro que sei lá, enfoque tanto os sentimentos, mas sim os acontecimentos. Mas mesmo nesses livros, é sempre uma boa saber o que o personagem está sentindo, né? E achei bastante sem noção que Clary tenha ficado meio de lado ou sei lá, sendo protagonista. Eu vou ler um dia quando terminar de ler os que emprestei... Daí o que farei? Pegarei ele emprestado também! Ahá! Leitor pobre é complicado -q
    Bye

    palavrasincessantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quis dizer que é como se estivéssemos lá, sentindo essa coisa de achar que seu mundo era normal e acabar vendo que não era nada que você achava. E eu gostei disso ♥ O lance de caçar demônios é legal, e a história não foca muito isso. Os banhos de sangue não são só por isso.
      As vezes não dava pra saber porque a Clary tomava aquelas decisões. Foi um estilo muito roteiro.

      Excluir
  7. Eu amo ler, e leio qualquer tipo de livro.Sou be do primeiro livro e da saga através da divulgação do filme,então baixei em pdf e li; confesso que gostei,mas quando fui para o 2º não gostei, a história parecia que estava sendo arrastada. E agora tem uns seis. Quase morri. Dou boa sorte aos fãs para arranja money. rsrsr' ótima resenha.

    http://renata-filosofando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu simplesmente gosto de The Mortal Instruments, por isso não achei a história tão arrastada. O problema do primeiro livro é que ele não dá pista alguma que vai ter continuação, e isso não faz querermos ler tão depressa. Sim, seis livros fora os de As peças infernais ç_ç

      Excluir
  8. Ai Deus eu quero tanto ler esses livros só que eu quero tudo de uma vez e tá carooooooo aff só Deus sabe como tá caro. Esse mês não vou comprar nada pq em agosto eu vou para Bienal... então to juntando dinheiro, mas em agosto em diante eu volto a comprar só me resta comprar um de cada vez.... morrendo aqui por isso.

    Broken Rules

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também vou pra Bienal, mas é mais pra conhecer a Cassandra e a Kiera mesmo, não vou comprar os livros. Nem sei se de fato eu vou...

      Excluir
  9. Beeeelle, seu nome é lindo sabia? Ou apelido pelo menos, mas é lindo u.u quer trocar comigo? *------*
    Heeey, eu ameeeei a resenha, serio ficou incrível. Eu fui ver o filme mas não terminei, faz um tempo que estou para ver novamente porque ameeeei muito, é bem diferente como você mesma disse, não posso nem tirar muita conclusão porque ainda não li o livro e estou falando do filme e ainda é o primeiro filme Kkkkkk. Mas em fim, eu amei mesmo a resnrha, também não gosto muito da narração em terceira pessoa, eu, particularmente, prefiro em primeira pessoa, e gosto também quando o autor reveza entre os persogens a narração, isso deixa tudo muito bem explicado e assim podemos tirar uma conclusão perfeita (ou pelo menos quase perfeita) do jeito como cada personagem pensa e age.
    Bem, eu tenho muita vontade de ler e essa sua resenha me deixou com uma vontade absurda de ir na livraria e comprar. Tenho tantos livros que quero comprar e o dinheiro não colabora, acho que teria que ter duas vidas para ler todos os livros que quero.
    Só tive uma duvida, tem mais livros? É uma trilogia ou são só esses dois? Porque se tiver mais eu quero muito acompanhar a próxima, e vou ver se consigo ler ate lá :3
    Beijooooooos ♥♥
    Http://www shake-de-morango.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só apelido mesmo, quase um nome ^^ Ah, obrigada <3
      Julgar esse livro pelo filme é como julgar um modelo de roupa da Marisa que é parecido com um da Channel. Não se tira muitas conclusões.
      São muitos livros, seis de Os Instrumentos Mortais contando com um que ainda não lançou e três de As Peças Infernais ç_ç Coitada de mim pra comprar tudo.

      Excluir